Mariana Jorge dos Santos, do Centro Acadêmico da Facom, ao centro na segunda fileira, com camisa e saudação típica dos mensaleiros: "porta-voz", em sala de aula queixa-se dos problemas com o pai que é pastor em Camaçari

Mariana Jorge dos Santos, do Centro Acadêmico da Facom, ao centro na segunda fileira, com camisa e saudação típica dos mensaleiros: “porta-voz”, em sala de aula queixa-se dos problemas com o pai que não vê e diz ser pastor em Camaçari, Bahia

HÁ UMA CONEXÃO DIRETA, objetiva, cristalina entre o esgarçamento moral contido na concepção de mundo do lulupetismo governista e a divulgação em rede de uma “Nota de Repúdio ao professor Fernando Conceição”, na qual um grupo de pessoas “acusa-me” de ter “postura machista e homofóbica”. Clique e leia a réplica.

O Partido dos Trabalhadores (PT) está por trás tanto do assalto à bolsa pública do país, quase destruição da Petrobras, compra de votos no Parlamento com desvios de dinheiro público, esquemas sujos de corrupção e denúncias de assassinatos até hoje não solucionados – e também por trás desses imberbes estudantes, protótipos dos chefetes da quadrilha que se apossou do comando do Brasil a partir de 2003.

Lula, seu líder e capo maior, é modelo para esses aprendizes de mafiosos travestidos de universitários “progressistas” que defendem “causas do bem”.

De branco a deputada federal Alice Portugal, do PCdoB, um dos partidos que, ao lado das diversas facções do PT, querem a UFBA como seu quintal. A parlamentar, pré-candidata a prefeita de Salvador, deixa-se fotografar com Mariana Jorge dos Santos (segunda a partir da esquerda) e outras gentes do bem

De branco a deputada federal Alice Portugal, do PCdoB, um dos partidos que, ao lado das diversas facções do PT, querem a UFBA como seu quintal. A parlamentar, pré-candidata a prefeita de Salvador, deixa-se fotografar com Mariana Jorge dos Santos (segunda a partir da esquerda) e outras gentes do bem

Esses estudantes, que pouco ou nada estudam – a não ser como disputar migalhas do poder, se entranhando como pestes em ante-salas de gabinetes disso e daquilo – formam o exército de reserva do criminoso esquema que queria se perpetuar sob o argumento, enfim já totalmente desacreditado graças à Operação Lava Jato e ao Mensalão, do combate às históricas desigualdades sociais do país.

Com seus trejeitos e fala adocicada, com seus chavões e palavras de ordens gastas, essa pulha de gente nada tem a ver com o futuro que queremos para o Brasil. Se escudam numa carteirinha da prostituta UNE (União Nacional dos Estudantes) pensando que têm salvo-conduto para falar em nome até de feministas e de homossexuais, como se a justa luta por direitos dessas categorias estivesse sob sua tutela fascistóide.

Sou muito mais defensor e estive mais junto das causas dos homossexuais e das mulheres que esses “camaradinhas”. E posso provar com meu histórico de batalhas.

Outro soldado "do bem", Mateus Costa de Oliveira coordena o CA da Facom, ligado a uma corrente petista com a qual alguns docentes flertam e atuam

Outro soldado “do bem”, Mateus Costa de Oliveira coordena o CA da Facom, ligado a uma corrente petista com a qual alguns docentes flertam e atuam

Quem são esses que agora lideraram na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia a tentativa de linchamento moral de um professor e jornalista que, durante toda a sua vida – basta googlar para saber – combateu sem medo e sem tréguas os poderosos ou pseudo-poderosos de quaisquer matizes partidárias ou crenças dogmáticas?

O que levou a direção da Faculdade, aí incluída a chefia do departamento que abriga os professores, a imediatamente assumir como verdade aquelas acusações levianas, afastando desde então, de forma irregular e em confronto com o que diz a lei, o docente da sala de aula?

No desenrolar das consequências que estão por vir desses atos de violência referendados pelos dirigentes institucionais teremos oportunidade de expô-los, para que a sociedade saiba quem são. Deveria ser esta a lição de casa elementar na cobertura que jornais, rádios e blogs noticiosos deram à tal “Nota de Repúdio”.

Esta aluna, Gabielle Guido, depois de repudiar Schoppenhaur, chamando-o de "cientista reacionário" e orgulhando-se de nunca ter lido o importante filósofo, saiu da sala e foi direto ao CA elaborar a "Nota de repúdio"

Esta aluna, Gabrielle Guido, depois de repudiar Schopenhaeur, chamando-o de “cientista reacionário” e orgulhando-se de nunca ter lido o importante filósofo, saiu da sala e foi direto ao CA elaborar a “Nota de repúdio”

Quem a capitaneou? Qual a legitimidade dos elementos que a assinam? Quem os banca? Qual o propósito das supostas “acusações”, já que vivemos numa sociedade em que ninguém é obrigado a se submeter, tal cachorrinho, aos ditames do feminismo ou do ativismo homossexual?

O tom estridente da “Nota”, de conteúdo imbecilóide e infantil, resvala ainda para o baixo nível, ao dizer que “o professor sempre assedia as alunas falando sobre seus corpos sem nenhum escrúpulo, blablablá”…

Esse item quer insinuar que este professor supostamente comete um crime: o de assédio sexual.

Ora, a lei que trata dessa matéria penal é clara: comete assédio sexual quem, em posição hierárquica superior, constrange alguém com o propósito definido de obter vantagens e favores sexuais.

Mariana Buente, que diz atuar como produtora cultural no Teatro Castro Alves, não é aluna do professor que ajudou a atacar

Mariana Buente, que diz atuar como produtora cultural no Teatro Castro Alves, não é aluna do professor que ajudou a atacar

Quem se vê assim assediado deve imediatamente procurar a autoridade policial, registrar boletim de ocorrência, procurar o Judiciário e o Ministério Público e oficializar a denúncia.

Contudo, a lógica da perversidade que subjaz a moral dessa turma amoral inspirada no lulopetismo recomenda buscar não a lei, mas o desgaste do alvo que escolhe no momento. Uma “Nota de Repúdio” e outras arruaças servem aos bandidos da reputação alheia.

Óbvio que haverá consequências! Jamais temi os seus chefes e patrões, desde a favela onde nasci (o Calabar), menos razão tenho para ceder à esquizofrenia de quem  sequer ainda saiu da casca do ovo.

Meu desafio a essa cosanostra, seus estimuladores e patronos: ajam naquela direção, isto é, denunciem às instâncias competentes o crime que irresponsavelmente atribuem a este professor. Que ele assedia suas alunas na sala de aula.

Eu entrego meu cargo, de pronto, à Universidade Federal da Bahia se o crime for comprovado.

Mas sei que canalhas e covardes do quilate dessa gente permanecerão parasitando ao redor da mentira, dos gabinetes, dos “conselhos de representação” disso e daquilo.

Gente que nunca vi mais gorda faz barreira para impedir o acesso do professor à sala de aula; sem tomar medidas disciplinares contra os arruaceiros, a direção da Facom puniu foi o docente, suspendendo ex-ofício suas aulas

Gente que nunca vi mais gorda faz barreira para impedir o acesso do professor à sala de aula; sem tomar medidas disciplinares contra os arruaceiros, a direção da Facom puniu foi o docente, suspendendo ex-ofício suas aulas

Anúncios